Outros produtos

Controlo de ervas na produção orgânica de plantas

Controlo de ervas na produção orgânica de plantas

Vera Rosado, Peter Brul

Desde há alguns anos, a produção orgânica de plantas tornou-se uma actividade económica crescente no Alentejo. Os agricultores começam uma exploração à escala de 2 ou 5 hectares. Uma grande parte usa plástico para cobrir o solo entre as plantas, para suprimir as ervas daninhas sem passarem muito no controlo das mesmas. Mas este é um grande investimento para produtores a iniciarem a produção e não é a melhor solução em termos de paisagem e ambiente. As ervas daninhas são um dos maiores obstáculos a ultrapassar durante a produção de qualquer cultura, especialmente em agricultura biológica, onde não é usado qualquer pesticida. O controlo de ervas daninhas na agricultura biológica pode ser feito através de:

  • Cobertura do solo com fertilizante, papel ou plástico;

  • Prevenção através de uma rotação de culturas diversa;

  • Lavoura do solo, incluindo uma falsa sementeira;

  • Combinação entre cavar, juntar e mondar.

Na realidade, controlo das ervas daninhas é uma prática fundamental na obtenção do rendimento esperado das culturas, e as plantas aromáticas e medicinais não são excepção. Neste artigo, iremos olhar a duas alternativas para o uso das coberturas de plástico, nomeadamente uma pequena escavadora e um pequeno tractor com diferentes ferramentas, incluindo enxadas.

Na quinta de um dos autores (Vera), onde são maioritariamente cultivadas plantas anuais como a calêndula (Calendula officinalis) e a perpétua (Gomphrena globosa), o uso da tela plástica negra não é compatível, pelo que a pesquisa de métodos alternativos, eficazes e baratos é sempre uma questão importante para nós.

A Hand-Duwschoffel é uma máquina agrícola muito simples e muito fácil de usar. Como qualquer enxada, corta a erva pela raiz ligeiramente abaixo do nível do solo, levantando as raízes, e é por isso muito mais eficaz que as ferramentas que cortam estas ervas apenas à superfície.

É uma máquina de roda, por isso caminhamos atrás dela, com força mínima, e as suas lâminas removem quaisquer ervas daninhas na sua passagem. É possível ajustar a altura das lâminas, e assim adaptar a profundidade a que estas chegam para remover as lâminas. Verificámos que remover as ervas com esta ferramenta é três vezes mais rápido do que com uma enxada. Custa apenas 80 euros, com IVA incluído (sem custo de transporte para Portugal). É particularmente eficaz em solos leves e pouco barrosos, em áreas pequenas. Em solos barrosos percebemos que é necessário utilizar mais força para mover a máquina e por essa razão é mais difícil trabalhar eficientemente. O uso da escavadora não está limitado ao controlo de ervas e ao cultivo de PAM, também pode usada em pomares e hortas.

Máquina HAK

A Series HAK L está disponível nos tamanhos-padrão 1,20-1,50- 1,75 em 2,20 metros de largura, em combinação com um trator de duas rodas Honda FS560. Há também sistemas para tractores de uma roda. Tem uma ligação paralela de precisão que tem design fino e pode por isso ser facilmente manobrada, diminuindo os danos às ervas para o mínimo possível. O comprimento da roda pode ser mudado manualmente. A escavação precisa é conseguida através do uso de chumaceiras que diminuem o espaço dos elementos para o mínimo possível, e de rolamentos com vedantes de pó extra que proporcionam uma máquina de baixa manutenção que torna desnecessária a lubrificação. O compacto elemento de guia vertical compacto pode ser facilmente instalado na estrutura em qualquer distância de ordem sem o uso de ferramentas. A ligação paralela de precisão pode ser acomodada com várias combinações de escavadoras, tais como uma única escavadora, duas, uma e duas meias escavadoras ou escavadoras que vibram. Dependendo do produto final desejado, a máquina pode ser suplementada com acessórios para rebordagem, protectores de folhas, filas de grades e acessórios que removem a erva por torção. A aplicação é para a cultivação em campos planos, sementeiras, e serve para solos de leves a pesados. Os utilizadores cultivam plantas, vegetais, flores ornamentais, pomares que cultivam 2-5 hectares num espaçamento em fila de 20-75 cm. Este é um investimento de 6000 a 8000 euros por um período de dez anos. Deve ser comparado com investimentos em coberturas de plástico ou com o tempo passado em controlar as ervas daninhas através de outros métodos.

Produtores interessados no equipamento de escavação podem contactar o CEVRM, que está disponível a atuar como um distribuidor para as máquinas e importá-las para Portugal.

Açafrão

Açafrão

Crocus sativus

O açafrão é nativo ao ambiente Mediterrâneo, caraterizado pelos seus invernos moderadamente frios, com chuvas durante o Outono, Inverno e Primavera e os seus Verões quentes e secos com muito pouca queda de chuva. É a cultura ideal para regiões semiáridas com limitações de água porque os seus bolbos têm um período de dormência de 5 meses em que não é necessária a rega.

 

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS

  • Pouca demanda de rega;
  • Requer água apenas nos períodos de maior chuva e disponibilidade hídrica;
  • Fácil de transportar;
  • Requer pouca manutenção de material dispendioso;
  • Requer trabalho durante a altura da colheita, gerando assim emprego local;
  • Bolbos atuam como fonte de nutrientes para flores e outros bolbos recém-formados;
  • Pode suportar temperaturas baixas (-10ºC) e tolerar o ocasional nevão no Inverno.

 

FASE DE COLHEITA

A- Fase Generativa

Esta fase começa com o começo do tempo frio no Outono e é uma fase importante para os produtores. O maior fator de estimulação nesta fase é a irrigação no fim do Verão e no início do Outono.

B- Fase Vegetativa

Esta fase é o maior período no ciclo de vida do açafrão e começa imediatamente após o florir. Durante esta fase desenvolvem-se as folhas e são produzidos os nutrientes necessários para os bolbos.

C- Fase Dormente

Esta fase começa com o murchar das folhas e senescência na primavera, e acaba com a primeira rega no fim do Verão e início do Outono.

 

DESENVOLVIMENTO DOS BOLBOS

Na superfície de cada bolbo-mãe há vários pontos meristemáticos (olhos), que são a base de botões para os novos bolbos.

A actividade destes olhos começa após o término do florescimento a meio do Outono. Estes olhos localizam-se na parte superior dos bolbos-mãe.

 

SELEÇÃO DE BOLBOS

O tamanho dos bolbos tem um efeito significante na produção de bolbos-filhos e na produção de flores e rendimento do açafrão.

  • São preferidos bolbos grandes sem danos de 2 a 4 anos;
  • Bolbos grandes produzem mais flores;
  • Bolbos grandes produzem mais bolbos, e também maiores em dois anos consecutivos;
  • Apenas o tamanho dos bolbos até um certo ponto aumenta o potencial de florescimento;
  • Bolbos podem ser classificados em 4 categorias:
  • 2-4 g (pequeno)
  • 4-6 g (médio)
  • 6-8 g (grande)
  • mais do que 8 g (muito grande)
  • Bolbos com 2,5 cm de diâmetro (6 g peso) são recomendados.

 

PREPARAÇÃO DO SOLO

Solo preferido para plantar açafrão

  • Solos de textura média com bom potencial natural de drenagem;
  • Área de superfície lisa e algo profunda sem salinidade;
  • Se possível, trabalhar com equipamento;

Arar antes de fazer sulcos

  • Em solos barrentos a camada superior torna-se dura durante o verão – a cultivação é difícil;
  • Arar nas fases iniciais (antes do Verão);
  • Limpar o solo de pedras;
  • A última aragem, antes de serem feitos os sulcos finais, é feita em finais de Abril.

Bolbos em sulcos

Sulcos bem desenvolvidos devem ser feitos onde:

  • A cultura deve ser regada, especialmente nas partes mais baixas dos sulcos;
  • Há grande ocorrência de chuva, para prevenir que os bolbos fiquem em solos encharcados;
  • Sulcos largos dão melhor protecção às altas temperaturas, pestes e doenças;
  • O tempo entre o plantar e enterrar do último sulco deve ser curto

A altura mais importante para fertilizar é após os bolbos germinarem. Use composto, estrume ou um fertilizador comercial orgânico e fertilize levemente a superfície do solo.

 

DENSIDADE DE PLANTAÇÃO

O número de flores germinadas está altamente dependente na densidade de bolbos.

  • Plantar a profundidade (15-20 cm) e espaçamento próprios (15 x20 cm);
  • Número de bolbos requeridos por unidade de terreno depende do método de plantação e tamanho dos bolbos. Varia entre 1,5 e 10 toneladas por hectare;
  • O aumento da densidade de plantas aumenta o número de florescimentos e recomenda-se 50 plantas por m2;
  • Baseado no tamanho ideal do bolbo para ser plantado, 8 gr, esta densidade de plantas requer 4 toneladas por hectare.

 

REGA

  • Assim que deixa de estar dormente, o açafrão tem que ser regado;
  • O açafrão começa a crescer imediatamente após a primeira rega e o florescimento é a primeira fase do crescimento;
  • Quatro regas devem ser suficientes para uma boa colheita;
  1. A primeira rega deve ser feita para começar o crescimento e facilitar o florescimento. Se agendadas apropriadamente, as flores irão aparecer imediatamente após a rega e o crescimento vegetativo irá começar mais tarde;
  2. A segunda rega é adiada até as flores serem colhidas e as folhas aparecerem. Normalmente isto será um mês após a primeira irrigação;
  3. A melhor altura para a terceira rega é após tirar as ervas e colocar estrume;
  4. A última rega deve ser agendada para o fim da época de crescimento;

 

REPLANTADAS PERIODICAMENTE

  • A maior colheita de açafrão é normalmente obtida a partir do terceiro ano;
  • Novos bolbos de açafrão também crescem acima dos velhos a cada temporada, e movem-se em direção à superfície do solo cerca de 1-2 cm cada ano;
  • A colheita precisa, então, de ser levantada e replantada periodicamente;
  • Normalmente replanta-se quando o rendimento começa a diminuir devido à sobrelotação ou danos nos bolbos que estão muito perto da superfície do solo. Isto ocorre aproximadamente a cada 5 anos.

 

NORMAS ORGÂNICAS

Gestão de nutrientes

  • Deverão ser baseados em material orgânico, com valores máximos definidos;
  • Fertilizadores minerais só deverão ser usados como suplementos;
  • Não são permitidos fertilizantes sintéticos.

Proteção das plantas

  • Use métodos preventivos para manter a saúde das plantas;
  • Pesticidas botânicos só deverão ser usados como suplementos;
  • Não são permitidos pesticidas sintéticos.

 

PROCESSAMENTO

  1. Colheita
  2. Separação do estigma
  3. Processo de secagem do açafrão
  4. Transporte do açafrão para fábricas de embalamento
  5. Amostragem e testes
  6. Pesar
  7. Embalamento
  8. Amostragem e testes do produto final
  9. Venda

 

COLHEITA

Colher açafrão inclui a apanha das flores e a separação dos estigmas

  • Apanhar as flores assim que começam a aparecer no campo;
  • Apanhar as flores diariamente porque vivem durante pouco tempo e se forem deixadas durante algum tempo sem serem apanhas, podem ser danificadas e diminuir a qualidade do açafrão;
  • O período de florescimento de um campo dura de 15 a 25 dias (alcançando o ponto máximo do sétimo ao décimo dia);
  • O tempo da apanha das flores deve ser de manhã cedo e antes do amanhecer (baixa temperature);
  • 180.000 flores são necessárias para fazer um quilo de açafrão.

 

SECAGEM

O processo de secagem tem um grande efeito na qualidade e valor do produto final.

  • Para manter o açafrão preservado por um grande período de tempo, deve ser secado;
  • Durante o processo de secagem, os estigmas perdem cerca de 80% do seu peso;
  • Condições mínimas de secagem:
  • Calor indirecto deve ser usado a secar açafrão;
  • Deve ser selecionado o processo de secagem que leva menos tempo;
  • Na altura da secagem, as temperaturas devem ser uniformemente mantidas e não devem ultrapassar os 60 graus;
  • Superfícies de metal e placas pouco higiénicas não devem ser usadas para secagem.

 

MARKETING DO AÇAFRÃO

  • Os estigmas secos do açafrão são embalados e apresentados nos mercados internos e externos;
  • Varia em preço devido à variedade de qualidade, por a adulteração ser comum
  • Os mercados dos EUA e da Europa são os melhores em termos de preço;
  • A falta de coordenação é devido à fata de organização sólida e unida quanto à compra, venda, distribuição e embalamento de açafrão;
  • O açafrão é um produto tradicional exportado do Irão, Índia, Espanha e outros produtores asiáticos e europeus;
  • Quase 80% da sua produção é exportada.

 

BENEFÍCIOS DOS MERCADOS ORGÂNICOS

  • Melhores preços na produção;
  • Mercado menos competitivo;
  • Relações a longo termo entre produtor/consumidor
  • Uso sustentável da terra;
  • Ambiente limpo;
  • Melhor saúde.