Alfarroba

Alfarroba

A alfarrobeira (Ceratonia siliqua L.) é um elemento importante nesta paisagem única. As florestas abertas constituem o ambiente perfeito para uma grande variedade de espécies como a murta (Myrtus communis L.), a esteva (Cistus ladanifer L.), diferentes ervas medicinais e cogumelos silvestres comestíveis, e muitas espécies de animais raros. Sendo uma espécie altamente resistente à seca, a alfarrobeira está bem adaptada às condições edafo-climáticas da região Mediterrânica. Estas árvores preferem solos derivados de calcários ou vérticos de basaltos bem drenados e são intolerantes ao alagamento. O seu sistema radicular profundo pode adaptar-se a uma grande variedade de condições do solo e é bastante tolerante à salinidade. Portugal é um dos 3 principais países produtores de alfarroba. Seca ou torrada, a alfarroba, suavemente doce, pode ser utilizada como um substituto para o chocolate, na confeção de bolos e xaropes. A semente é utilizada sobretudo para a extração de goma que tem variadas aplicações industriais, particularmente no setor alimentar, como espessante, estabilizante, emulsionante, na alimentação animal, sendo também importante para produtos biológicos na indústria, por exemplo, como agente gelificante na indústria têxtil (impressão), papel, produtos químicos (colas, tintas), farmacêutica (laxantes, cápsulas, cremes dentais, medicamentos para tratamento da diarreia infantil) e cosméticos (cremes de beleza).

Ver folheto

Ver ficha técnica - Ceratonia siliqua L.

 

FICHA TÉCNICA

Alfarroba

A alfarrobeira (Ceratonia síliqua) é uma árvore trazida pelos árabes para o Norte de África, Espanha e Portugal é típica dos países Mediterrâneos (Portugal, Espanha, Itália, Grécia, Marrocos, Turquia e Chipre).

Esta árvore é o único constituinte do pomar tradicional de sequeiro que tem evoluído positivamente, revelando-se assim o seu enorme potencial ecológico e económico. Prevê-se um aumento da procura nos mercados internacionais derivados de suas utilizações na indústria dos alimentos principalmente nos orgânicos.

Esta cultura constitui uma ótima alternativa para os solos pobres e calcários dada a sua elevada rusticidade. Consegue frutificar com 350 mm de água por ano, suporta temperaturas elevadas e só apresenta sensibilidade às geadas e nevoeiros com temperaturas inferiores a 2ºC

O 10% do peso da alfarroba corresponde às sementes e o resto à polpa. É um fruto extremamente rico em açúcares (sacarose, glucose e frutose) e a polpa contém igualmente quantidades apreciáveis de proteína (3-4%), um nível baixo de gordura (0,4-0,8%), um elevado nível de taninos condensados e um baixo teor de taninos hidrossolúveis.

  

Este fruto tem inúmeras aplicações; na indústria alimentar a goma extraída da semente do seu fruto é utilizada como estabilizante na produção de iogurtes e gelados; na indústria farmacêutica os anti-oxidantes do fruto têm propriedades anti-cancerígenas, sendo também utilizados na preparação de produtos antidiarreicos e antieméticos e para dar forma a alguns comprimidos; e na indústria da cosmética a goma da semente é utilizada para o fabrico de cremes hidratantes.

1) Instalação de um pomar

Sendo uma árvore recorrente nos pomares tradicionais do baixo Alentejo e Algarve tem vindo a ser abandonado. Pelo que será sempre possível promover a reconversão os pomares envelhecidos, degradados ou abandonados com intervenções ao nível de limpezas, podas, adensamentos, rebaixamento de árvores de grande porte, reenxertias e eventualmente, a plantação de variedades mais adequadas às exigências dos mercados.

Para a instalação de um novo pomar será precisa seguir os seguintes passos:

  • Identificação de um local sem alagamento e com a maior quantidade de insolação possível, reduzindo assi o risco de geadas e nevoeiros que tanto afetam a produção;
  • Preparar o terreno através de ripagem e adubação de fundo, no caso de ser preciso, e proceder à abertura de covas, pudendo variar entre 40x40x40 cm a 80x80x80 cm. conforme as condições do solo. Cada planta deverá de ser protegida com um protetor;
  • Compasso: o espaçamento utilizado na instalação de alfarrobas em regime florestal é de 6 x6m. mas recomenda-se um maior espaçamento para permitir o completo desenvolvimento da árvore, podendo chegar até um a densidade de fruticultura de 12x6mt que permita a integração de outros usos na entrelinha (agricultura ou pastagem);
  • Escolha das plantas e variedades: as plantas podem ser adquiridas em viveiros como porta-enxertos ou se adquiridas já enxertadas com 2 a 3 anos e devem de ser instaladas junto de um tutor.
  • Para assegurar a produção deve ser salvaguardada uma elevada atividade polinizadora para evitar períodos de alternância de produção. Apesar de que a quantidade de árvores polinizadoras sugeridas varia entre os 4% a 20% conforme as variedades, é sugerido um mínimo de 12%. Estas árvores podem ser plantadas na bordadura ou distribuídas ao longo das plantação, neste último caso 1 árvore polinizadora deverá de ficar rodeada por 8 árvores fêmeas. Será também possível adquirir porta-enxertos com enxertos de ramas polinizadoras;
  • Sistema de rega: cada planta deve de ser abundantemente regada na instalação e será posteriormente reduzida a 1 ou 2 vezes por semana na temporada estival até a planta enraizar, nunca mais para além dos 10 anos;
  • Poda de formação: após 2 anos de ser enxertados será preciso efetuar a primeira uma poda de formação da árvore as que devem decorrer no outono, posteriormente à colheita. Sugere-se a realização de limpezas cada 2 anos e de podas aproximadamente aos 7 anos;
  • Adubação: apesar de não sem ser necessária, a adubação incrementa a qualidade do fruto. Sugere-se o abonado orgânico cada três anos e evitar a utilização de herbicidas sintéticos por forma a enquadrar a produção num modo de produção biológico.

2) A produção

Uma vez instaladas as árvores e se elas forem previamente enxertadas começam a produzir após 5 anos de ir ao campo, se forem enxertadas no campo podem tardar entre 7 a 8 anos em produzir. Estas primeiras produções serão de aproximadamente 4 a 5 Kg/árvore.

Produções economicamente interessantemente ocorreram entre os 15 e 20 anos, entre 20 a 50 Kg/árvore. O pico de produção entre os 30 e 40 anos, altura na que podem produzir em média 70Kg/árvore.

O processo de frutificação leva entre 10 e 11 meses, passando pelo surgimento das inflorescências no fim do verão/outono, o inicio desenvolvimento do fruto no fim do inverno, até época da maturação do fruto e mudança de cor, durante o mês de junho. Assim a colheita da alfarroba efetua-se durante entre os meses de Agosto e Setembro.

Apesar que a alfarrobeira é uma árvore pouco sensível a doenças, o Oidium (Uncinula necator) pode ataca-la. Para evitar os ataques deve-se procurar um bom arejamento no interior da folhagem.

Em termos de manutenção, deverão ser efetuadas podas de formação para manter tronco limpo de ramas até 1 metro. Também poderá ser feita adubação, segundo as necessidades do solo que sejam verificadas.

3) Apoio à produção

Para apoios ligados à instalação de pomares de alfarroba consulte o Programa de Desenvolvimento Rural - PDR 2020, nomeadamente a operação 3.2 Investimento na exploração agrícola, operação 3.3 "Investimentos na transformação e comercialização de produtos agrícolas" ou operação 8.1.1 Florestação de terras agrícolas e não agrícolas

https://balcao.pdr-2020.pt

 

4) Transformação

A primeira transformação do fruto consiste na separação da polpa da semente através de um processo mecânico. De aqui cada produto pode sofrer uma segunda transformação, no caso da polpa compreende um processo de torrefação e posterior moagem para a obtenção da farinha, chamada no mercado internacional como Carob Powder. No caso da semente, a segunda transformação consiste na obtenção da goma através de fornos ou ácidos, sendo o produto final a goma, conhecida como Garrafín na Espanha e como a Locus bean gum ou espessante natural E410 no mercado internacional.

 

A alfarroba contém, em média, 48-56% de açúcar (essencialmente sacarose, glucose, frutose e manose), 18% de fibra (celulose e hemicelulose), 0,2-0,6% de gordura, 4,5% de proteína e elevado teor de cálcio (352 mg/100 g) e de fósforo.

Na região do Algarve existe 1 fábrica que transforma a semente de alfarroba em goma, 6 fábricas que fazem a trituração e separação da semente em modo convencional e 1 empresa que faz a primeira transformação em certificada modo biológico.

Na vizinha Espanha, existem diversas empresas que transformar a alfarroba em modo convencional e 1 empresa com sedeadas nas ilhas Baleares, que produz goma e farinha de alfarroba com possibilidade de certificação BIO.

Contactos

TRANSFORMAÇÃO

Madeira & Madeira ltd.

Empresa familiar de trituração de alfarroba

Modo: Convencional e orgânico (certificados pela Sativa)

Contacto: Salvador

F: 289 793 168

M: 963 474 808

Local: Moncarapacho, Fuseta, Algarve.

* Pagam ao mesmo preço alfarroba convencional e bio.

* Fazem o transporte gratuito num camião com capacidade de entre 15 e 20 toneladas

 

Indústria Farense

Trituração e Produção de goma de alfarroba

Modo: Convencional

Local: Faro

T: 289822271

 

Desidério Oliveira

Trituração de alfarroba

Modo: convencional

Local: Carvalhas - Boliqueime

T: 289 366 289

 

Industrias Ralda S.A

Produzem, transforma e comercializam alfarroba triturada, farinha e goma.

Modo: Convencional

Local: Valencia, Espanha

Web: www.iralda.com

 

LBG Sicilia

Especializada na produção de ingredientes funcionais de alta qualidade para a indústria alimentar. Empresas líder no mercado mundial de goma de alfarroba.

Modo: Convencional, Orgânico, ISO 22000, BRC certification body, Kosher, Halal int. authority

Local: Sicília, Italia

Web: www.lbg.it

 

GA Torres

Grupo de empresas familiar, compra alfarroba no Mediterrâneo e transforma nas suas três fábricas: Fábrica triturado de alfarroba, moinho de farinha (torra e mói) e a Fábrica de goma de alfarroba.

Modo: convencional

Local: Valencia, Espanha

Web: www.gatorres.com

 

Alimentaria ADIN

Produção de goma de alfarroba convencional quer para aplicações industriais e na produção de alimentos animais.

Modo: convencional

Local: Valencia, Espanha

Web: www.adin.es

 

CAROB S.A

Produção de farinha e goma de alfarroba.

Modo: em processo de certificação orgânico

Local: Mallorca, Espanha.

Web: www.carob.es

 

VIVEIROS

Viveiro Casa Branca

Multiplicação e comercialização de árvores de alfarroba enxertadas com diversas variedades

Responsável: José Cabrita Vieira

T: 962 933 715

 

APOIO À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO

Associação Interprofissional para o Desenvolvimento da Produção e Valorização da Alfarroba (AIDA) - e-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

AGRUPAmento de Alfarroba e Amêndoa Crl - e-mail: agrupa@sapo.p